• Seiscentos delegados internacionais participam do Indigenous Terra Madre 2015 (comunidades indígenas do Brasil)

    27th October 2015 Published in Portuguese

    © Jacques Minelli Satoriz for Guayapi Tropical - Slow Food

    © Slow Food

    © Marco Del Comune - Slow Food

    Muitos representantes das comunidades indígenas do Brasil vão contribuir para o evento, compartilhando seus conhecimentos e experiências

    Uma delegação numerosa de representantes das comunidades indígenas da rede Slow Food e Terra Madre participará do Indigenous Terra Madre (ITM 2015) – que acontecerá de 3 a 7 de novembro de 2015 em Shillong (Meghalaya, Índia). O evento é o resultado da colaboração entre o Slow Food, a Indigenous Partnership for Agrobiodiversity and Food Sovereignty (Indigenous Partnership) e a North East Slow Food and Agrobiodiversity Society (NESFAS).

    Haverá representantes dos cinco continentes14 países africanos17 países asiáticos12 paísesamericanos , 8 países europeus, e países oceânicos.

    Do Brasil, haverá representações de diversas comunidades indígenas e seus biomas:

    - o povo Juruna (Aldeia Juruna, Boa Vista, Município de Vitoria do Xingu, Pará). A Associação Do Povo Juruna Do Xingu (Apijux) é parte do uma comunidade composta por cerca de 250 moradores, que esta sendo afetada pela construção de uma das maiores usinas hidréletricas do mundo (Belo Monte). A comunidade produz seus alimentos de forma saudável, para prevenir doenças e promove a reflorestação. Dois representantes do povo Juruna, mãe e filho, participarão durante o Food Festival, que será realizado no último dia do evento: a cozinheira do povo Juruna, Marineide Machado Camizão cozinhará com o cozinheiro indiano Artet Kharsati para mais de 100 pessoas, na Cozinha do ITM. Marineide preparará três pratos diferentes, utilizando produtos indígenas do Norte do Brasil.

    - o povo Sateré-Mawé (Terras nativas Andirá Marau, bacias dos rios Andirá e Marau, Amazonas-Pará). Os Sateré- Mawé cultivam o Waraná Nativo há centenas de anos, como parte da própria cultura alimentar e religiosa. Muitos anos atrás, os Sateré-Mawé decidiram resgatar as antigas tradições da meliponicultura Maia, criando pequena abelhas nativas sem ferrão - as Abelhas Canudo - responsáveis pela polinização de pelo menos 80% da flora na Amazônia. Os projetos da Fortaleza do Waraná Nativo do Mel de Abelha Nativa Canudo dos Sateré-Mawé estão intimamente relacionadas, uma vez que o néctar é obtido a partir das flores da planta do waraná.. Um representante das Fortalezas Sateré Mawé participará da Sessão Temática cujo título é "Pollinators And Bees Enthusiasts Gets Together" (polinizadores e amantes de abelhas se reúnem), que vai se realizar no dia 4 de novembro, das 11h15 às 12h45.

    - o povo Xakriabá (Terra Indígena Xakriabá e Xakriabá Rancharia, rio Itacarambi, São João das Missões, Norte de Minas Gerais). A vegetação predominante das Terra Indígena Xakriabá e Xacriabaá Rancharia é o Cerrado, e as comunidades se dedicam à caça e colheita de frutos, tais como cagaita, araticum, jabuticaba, maracujá, melão de São Caetano, xixá e pequi. Alguns desses produtos já compõem a Arca do Gosto do Brasil (Cagaita e Pequi). Um representante jovem da comunidade Xakriabá participará da Sessão Temática "From Field To Plate: Stories Of Slow Food, NESFAS And Other Producer And Chef Alliances" (do campo à mesa: histórias do Slow Food, NESFAS e outros produtores e Alianza de Cozinheiros), que será realizada no dia 4 de novembro, das 11h15 às 12h45.

    Veja o programa do evento aqui: http://bit.ly/1LWZaxh

    O Indigenous Terra Madre 2015 agradece o apoio financeiro do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (IFAD), The Christensen Fund e do Governo de Meghalaya. O Indigenous Terra Madre 2015 é igualmente grato pelas contribuições feitas pela Tamalpais TrustSwift FoundationAgroEcology FundBread for the World e pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

    Terra Madre é uma rede mundial lançada pelo Slow Food em 2004, reunindo comunidades de 163 países, envolvidas na produção sustentável de alimentos. Hoje, o Indigenous Terra Madre Network - Rede Terra Madre Indígena inclui 372 comunidades do alimento indígenas, 41 projetos de Fortalezas indígenas e308 produtos indígenas da Arca do Gosto. Para mais informações: http://slowfood.com/international/149/indigenous-terra-madre-network

    Descubra as histórias dos povos indígenas de todo o mundo no website do Slow Food, na sessão "Vozes Indígenas"! http://www.slowfood.com/international/food-for-thought/slow-themes/260987 

    Para mais informações, entre em contato com o Slow Food International Press Office:
    Paola Nano, +39 329 8321285 p.nano@slowfood.it 
    Ajay Nayak, +91-9820535501, ajay@indigenousterramadre.org

    O Slow Food conta com a participação de mais de um milhão de pessoas dedicadas e apaixonadas pelo alimento bom, limpo e justo, incluindo: cozinheiros, jovens, ativistas, agricultores, pescadores, especialistas e acadêmicos de mais de 158 países; uma rede de cerca de 100.000 associados do Slow Food ligados a 1.500 sessões locais (chamadas de Convívios), que contribuem com a sua taxa de adesão, além dos eventos e campanhas que organizam; e mais de 2.500 comunidades do alimento da rede Terra Madre, envolvidas na produção em pequena escala e sustentável de alimentos de qualidade em todo o mundo.